IMG-20171019-WA0023.jpg

Dicas

Em primeiro lugar, gostaria de parabenizar ao casal por ter chegado ate aqui! É preciso muito respeito, confiança e principalmente amor para abrir a relação para novas experiências. Gostaria de passar essa visão para vocês. É preciso muito amor  para conseguir ter satisfação com o prazer do outro, abrir mão da posse é sem dúvida um ato louvável de amor. Sinto tanta satisfação em fazer parte dessas experiências que tenho certeza que o casal que decide ter novas experiências está, sem dúvidas, caminhando para uma relação verdadeira, sadia e duradoura. 

QUAL É A HORA CERTA?
Há quem pense que exista um momento certo para ter uma nova experiência. Em minha opinião, a hora certa não existe, somos nós que criamos. Ou você acha que vai acordar um belo dia super pronto para ver a pessoa amada tendo prazer sem a sua participação direta? Não! A hora certa quem cria é o casal, podendo ser logo no começo da relação ou depois de anos. O que importa é que os dois estejam de acordo e que existam regras muito bem definidas antes da brincadeira começar.

VAI FAZER SÓ PARA AGRADAR O PARCEIRO?
Então nem faça! Vai ser um tiro no pé. 
Se isso vai além dos seus valores, não faça. Continue trabalhando a ideia dentro da sua cabeça até que se sinta pronto. Se lembre, o amor é diferente de “diversão”. Particularmente, quando toco uma pessoa, procuro tocar com carinho, respeitando o laço sentimental que se instala nesse tipo de encontro. Antes de dizer o “não” definitivo saiba que você é privilegiado, a maioria das pessoas que resolve realizar fantasias faz isso sem a presença do cônjuge. Minha dica é: Julgue menos e aproveite mais!

É PRECISO SER CASADO PARA TER ESSA EXPERIENCIA?
Evidente que não, me refiro sempre a casais, pois é o mais usual. Você pode ter essa experiência com quem desejar!


AMIGO OU DESCONHECIDO?
Acredito que as duas opções são válidas, mas me respondam: ter ciúmes de um desconhecido é o mesmo do que ter ciúmes de um amigo?


AS REGRAS.
Essa é a dica de ouro, afinal, o combinado não sai caro. Seja franco! Diga com clareza para o seu parceiro o que quer vivenciar e o que não quer. Falar abertamente é a melhor forma de fazer com que a experiência dê certo. Eu procuro sempre conhecer um pouco do casal, saber o que é importante para cada um. Costumo utilizar de uma série de técnicas que desenvolvi com as minhas experiências para conduzir o encontro com naturalidade sem que ninguém se sinta invadido ou desrespeitado.


DICA PARA ELE:
Amigo, entenda que a maioria das mulheres foi criada para relações monogâmicas e ter outra “fêmea” no seu ambiente é algo que causa insegurança. No entanto, você que pode passar essa segurança para ela, mostrando o quanto está sendo sincero em envolver ela nos seus fetiches mais secretos. Outra dica que gostaria de dar aos cavalheiros é: não faça surpresa. Isso não é legal. A mulher gosta de estar preparada, principalmente para uma situação como esta. Por mais prontos que vocês estejam, mesmo que não seja a primeira experiência, deixe que ela tenha o controle. Se você ainda não conseguiu chegar lá, assista vídeos com as práticas sexuais que pretende vivenciar, tenho certeza que com carinho e paciência logo o teu prazer será o prazer dela também. Boa sorte!


DICA PARA ELA:
Gostaria de te dizer que antes de ser acompanhante,  mulher e tenho as mesmas dúvidas, medos e anseios que você tem agora. Queria te lembrar que sou uma profissional do sexo e que meu objetivo é o prazer de ambos. Acredito que para que tenhamos uma boa experiência durante todo encontro haverá um “acordo de damas” e que estaremos sempre conectadas para que seja uma experiência satisfatória para todos.

MEU NOME NEM É AMANDA!
Por último, e não menos importante, gostaria de dizer que desejo aos casais com quem saio que eles gozem muito lembrando os momentos que passamos juntos ou ainda que gozem muito só de fantasiar tudo que o podemos vivenciar. Que, sobretudo, não esqueçam que meu único objetivo é apimentar a relação de vocês. Não criaremos vínculos. Eu serei apenas uma recordação, uma fantasia, um fetiche, afinal o meu nome nem é Amanda!